Logo

ESTRANGEIROS

Em diversos trabalhos que fui realizando noções como a paisagem, a fronteira, o móbil, os diferentes planos, têm sido exploradas tomando sempre como principal motivo um corpo em construção, o corpo como imagem e a imagem como deslocação. A estes corpos dançantes expatriados, deslocados, chamei-lhes solistas ou, num neologismo, movimentantes. Desta vez são estrangeiros.
Estrangeiros são um novo projecto para desfrutar dos corpos e das suas imagens e lhes desvendar aquilo pelo qual os faz, justamente, estrangeiros. Aparentemente carregados de identidade definida, os estrangeiros são, afinal, figuras transversais esvaziadas. No seu deferir, estas figuras são deslocações ora de clichés de identificação ora de estranhezas genuínas comportamentais. Estas figuras oscilam entre um colectivo, um padrão, e um impessoal, solitário. Isolados, os estrangeiros vão cumprindo, exterior ou interiormente, a ideia de um estrangeiro face ao mundo que nos persegue. Por isso, não poderia esquecer "O estrangeiro" de Albert Camus como o homem absurdo, como o mergulho no sentimento do absurdo, como nos nota Sartre sobre este estrangeiro.

 

Né Barros